Em memória de George Stinney Jr, vítima de racismo cruel

Em 16 de junho de 1944 , George Junius Stinney Jr , um adolescente afro-americano, foi condenado erroneamente a pena de morte por um tribunal racista e discriminatório, em Alcolu, Carolina do Sul. Aos 14 anos de idade, George foi a pessoa mais jovem a enfrentar a execução nos Estados Unidos.
O menino morava com o pai, George Stinney Sr., sua mãe Aime, os irmãos John, de 17 anos, e Charles, de 12 anos, além das irmãs Katherine, de 10 anos, e Aime, de 7 anos. O pai trabalhava numa serraria e a família vivia em uma casa fornecida pelo dono da serraria. Alcolu era uma cidade pequena de classe trabalhadora, onde, na área residencial, a comunidade negra vivia separada dos brancos.
Em 23 de março de 1944, duas meninas, Betty June Binnicker, de 11 anos, e Maria Emma Thames, de 8 anos, andavam de bicicleta à procura de flores. Ao passarem pela casa da família Stinney, elas perguntaram ao jovem George Stinney e à sua irmã, Katherine, se eles sabiam onde encontrar “flores-da-paixão”. Mais tarde, quando as meninas não retornaram para casa, grupos de busca foram organizados, com centenas de voluntários. Os corpos das meninas foram encontrados na manhã seguinte em uma vala cheia de água lamacenta. Ambas tinham sofrido ferimentos graves na cabeça.
George foi preso algumas horas depois e foi interrogado por vários oficiais em uma sala trancada com nenhuma testemunha além dos agentes. Após uma hora, foi anunciado que George havia confessado o crime. O garoto pesava apenas 40kg e, mais tarde, verificou-se que a tal barra de ferro usada no crime pesava mais de 9,7 kg. Impossível ser manuseada por um menino tão franzino.
Os ferimentos nos corpos mostravam que quem matou as meninas tinha usado muita força, causando traumatismo craniano em ambas. Os policiais presentes na suposta confissão de George apresentaram informações conflitantes e não tinham qualquer evidência física que corroborasse com as histórias.
George nunca mais viu seus pais, o pai dele foi demitido de seu emprego na serraria local e sua família teve que se mudar, temendo por represálias.
O julgamento ocorreu em 24 de abril no tribunal do condado de Clarendon. Após a seleção do júri, o julgamento começou às 12h30 e terminou às 17:30. Depois de apenas dez minutos de deliberação, o júri, que foi, composto inteiramente de homens brancos, emitiu o veredito de culpado e a sentença: morte na cadeira elétrica.
O advogado de Stinney, Charles Plowden, apontado pelo estado, não tentou fazer qualquer contra-argumento e nem ao menos convocou testemunhas. Além disso, o advogado também não não recorreu da sentença. Sob as leis da Carolina do Sul, todas as pessoas com idade superior a 14 anos eram e ainda são tratados como um adulto.
Em 16 de junho de 1944, George Stinney finalmente foi executado no complexo correcional de Colúmbia (Carolina do Sul). Às 19:30, George caminhou até a cadeira elétrica com a Bíblia debaixo do braço. O garoto, baixinho e muito magro, era pequeno demais para sua cadeira. Mesmo assim, os equipamentos da execução foram colocados nele e então 2,400 volts de eletricidade foram liberados pelo seu corpo.
Segundo testemunhas, a máscara que encobria seu rosto caiu durante a execução, revelando sua face. George chorava enquanto sentia a enorme dor, salivando incontrolavelmente. Foram necessárias três descargas de eletricidade para mata-lo. Ele foi declarado oficialmente morto quatro minutos após o início de sua execução.
Somente em 17 de dezembro de 2014, 70 anos depois de sua execução, que a justiça reconsiderou o caso por meio da juíza Carmen Mullins. A condenação foi anulada e George Stinney foi inocentado formalmente do crime.

Tradição colonial do Brasil não aceita o Jesus histórico, que andava com pobres


O teólogo Leonardo Boff vem defendendo o samba-enredo da Estação Primeira de Mangueira, com o qual a escola vai passar pela avenida no Carnaval de 2020. “Eu sou da Estação Primeira de Nazaré/ Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher/ Moleque pelintra no buraco quente/Meu nome é Jesus da Gente”, diz a letra, dos compositores Manu da Cuíca e Luiz Carlos Máximo. A composição traz uma referência clara ao presidente Jair Bolsonaro: “Favela, pega a visão/ Não tem futuro sem partilha/ Nem messias de arma na mão”.

Para Boff, a Verde-e-Rosa, que no ano passado foi campeã também com um enredo de cunho social (“História pra ninar gente grande”), retrata o Cristo histórico negado pela tradição e por setores que se dizem cristãos, mas têm “uma fé só cultural, e não uma fé no coração, como mudança de vida, como orientação de vida”.

“Esse Jesus que enxuga as lágrimas, que abraça as crianças, que conversa com a prostituta, pobre entre os pobres, o único verdadeiro e real, que os quatro evangelhos testemunham, esse é o Jesus assumido pela Mangueira. Os cristãos e bispos tradicionalistas, a TFP etc., não aceitam Jesus assim, porque se aceitassem tinham que mudar de vida, teriam que auxiliar os pobres, lutar pela fraternidade, por uma sociedade mais justa, menos desigual”, diz.

Na opinião do Teólogo, o enredo da escola “atualiza a figura de Jesus para a nossa situação, que é muito semelhante à situação da Galileia, da Palestina, na qual vivia o Jesus histórico”.

Para Boff, a parcela da sociedade que, embora se professe cristã, apoia um governo que defende armar a população, por exemplo, tem a visão “do cristianismo tradicional, colonial, que nos foi trazida pela colônia, visão de que Jesus é o rei, o senhor, é Deus, e todos nós sendo humilhados”. São esses os setores que acusam o enredo da Mangueira de “blasfêmia”.

Essa tradição do período colonial nunca apresentou ao povo o Jesus real, “crucificado, que apanhou como um escravo, foi humilhado e perseguido, porque, lógico, isso o identificava com as vítimas”. “Esse Jesus, testemunhado nos quatro evangelhos, esse é apresentado na Mangueira”, afirma Boff. 

Deus se apresenta na cotidianidade, na simplicidade, na pobreza


por Enzo Bianchi

Passaram-se 40 dias desde o Natal, e a Igreja interrompe o Tempo Comum para celebrar mais uma “manifestação” da encarnação, aquilo que, segundo o Evangelho de Lucas, ocorre no 40º dia após o nascimento de Jesus: a apresentação do filho primogênito no templo e a sua oferta ao Senhor segundo a Lei (cf. Ex 13,1-2.11-16).

No Oriente cristão, a festa do Hypapante (encontro entre o Senhor e o seu povo) é um grande festejo que celebra, assim como as festas do Natal, a luz, como aliás testemunha a natureza, com o sol já cada vez mais alto no céu e o significativo e perceptível prolongamento do dia [no hemisfério Norte]. Por isso, na liturgia, está prevista uma procissão com velas acesas: é o povo de Deus que vai ao encontro do Senhor, “luz das nações”.

Detenhamo-nos, portanto, no trecho do Evangelho previsto pela Igreja para esta festa. Acima de tudo, Lucas evidencia que Jesus, “nascido sob a lei” (Gl 4,4), vem ao mundo como todo judeu: circuncidado no oitavo dia (cf. Lc 2,21), deve ser apresentado ao Senhor e, como homem primogênito, redimido com uma oferta.

José e Maria, fiéis observantes, sobem a Jerusalém, ao templo, para realizar o rito, mas o que ocorre é mais significativo do que o próprio rito.

No templo, há um homem chamado Simeão, que “esperava a consolação do povo de Israel”, isto é, do seu resgate através do advento messiânico, e sobre ele habita a presença do Senhor, o Espírito Santo. Especialista na escuta da Palavra do Senhor, ele havia recebido uma profecia: não morreria antes de ver o Messias, por ele esperado assiduamente.

É o próprio Espírito que o leva a ir ao templo, onde ocorre o cumprimento da promessa: um casal de esposos está levando o menino Jesus para a oferta, e ele reconhece naquele menino o Messias, acolhe-o nos braços e, com um espírito capaz de agradecimento, canta ao Senhor. Agora, o Senhor pode deixá-lo ir em paz, pode chamá-lo na morte, porque tudo se realizou segundo a promessa. Os seus olhos veem o Salvador, veem a luz para todos os povos da terra, veem a glória do povo de Israel.

Simeão faz a sua grande confissão de fé, canta todo seu estupor e a sua alegria, mas os seus olhos de profeta também veem o que ainda não é visível, e ele o confidencia a Maria, a mãe. Esse menino será um sinal contestado, um sinal que pode ser acolhido ou recusado, e, por isso, muitos encontrarão nele razões de rejeição e cairão; outros, razões de ressurreição e de vida.

Toda pessoa terá que tomar posição diante dele. Mas essa contradição será paga a um caro preço pela mãe, Maria, a filha de Sião que representa em si todo o povo de Deus: de fato, a alma de Maria será dilacerada, transpassada como que por uma espada, e em torno de Jesus o povo de Deus dilacerará a sua unidade. Uma parte de Israel rejeitará Jesus como Messias, outra parte o acolherá e acreditará nele, mas esse cisma, que um dia se recomporá, permanece como uma ferida na vida da comunidade do Senhor no mundo.

Até mesmo uma mulher idosa, a profetisa Ana, uma viúva que sempre estava em oração na casa de Deus, vigiando e jejuando, inesperadamente encontra aquela pequena família e reconhece o Messias na criança. Ela também começa a narrar a boa notícia aos que estão presentes no templo, expressando todo o seu louvor dirigido a Deus.

Foi assim que ocorreu o encontro entre o Filho de Deus e o seu povo: na cotidianidade, na simplicidade e, sobretudo, na obediência à Lei. Tudo foi observado, portanto Deus realizou tudo como havia prometido. Quem estavam na expectativa e permanecia firme na fé e na esperança “viu” e reconheceu a presença de Deus naquela cotidianidade e naquela pobreza de uma família.

Porém, para quem hoje escuta e lê o Evangelho, não escapa a distância entre o anúncio da profecia de Malaquias (cf. Ml 3,1-4) e o seu cumprimento segundo Lucas, como nos mostra a exegese litúrgica. Segundo Malaquias, a vinda do Senhor se realizaria com a vinda de um mensageiro, um novo Elias, um anjo da aliança invocado e esperado. Ele entrará no templo e, como fogo devorador, como barrela dos lavadeiros, purificará todos aqueles que, no templo, prestam serviço ao Senhor, de modo que a oferta e os sacrifícios retornem a ser agradáveis a Ele. Portanto, um evento que se impõe, por ser repleto de glória.

Mas a realização evangélica dessa profecia parece bem diferente: um bebê de 40 dias trazido por dois pais pobres e anônimos entra no templo, e ninguém, entre todos os sacerdotes lá oficiantes, se dá conta disso. Só “o resto de Israel” (cf. Is 10,20-22; 11,11.16 etc.), representado por um homem justo e capaz de oração e por uma idosa viúva assídua na presença do Senhor, se dão conta disso; somente Simeão e Ana reconhecem na criança o cumprimento das promessas do Senhor, louvam e agradecem a Deus e começam a evangelizar, a difundir a boa notícia.

Esses são os traços da história cristã, e não outros: não nos deixemos enganar pela aparência, pela majestade, por ênfases triunfais.

Enorme ‘propriedade real’ da Bíblia pode ter sido descoberta em Israel


A propriedade remonta aos primórdios do Reino de Israel antigo, mas deverá desaparecer devido à construção de uma estrada local.

Um enorme complexo que possivelmente serviu como uma propriedade rural sob os antigos reis mencionados na Bíblia foi desenterrado por arqueólogos no norte de Israel, relata o jornal Haaretz.

Segundo o jornal, a descoberta foi feita em Horvat Tevet, localizada nas proximidades da cidade moderna de Afula, durante uma escavação realizada antes da construção de uma estrada.

Arqueólogos acreditam que, há uns 2.900 anos, a propriedade serviu como “um local-chave para as autoridades israelenses recolherem e redistribuírem os produtos agrícolas da região vizinha”.

“O século em que Horvat Tevet foi uma propriedade real foi também o século em que o Reino de Israel nasceu, e isso traz luz às primeiras relações entre as tribos de Israel, seu nascimento como um reino e seus mecanismos políticos de controle”, afirmou Omer Sergi, arqueólogo da Universidade de Tel Aviv, que codirige a pesquisa no local.

Os restos mais proeminentes do complexo aparentemente datam da Idade do Ferro, e foram construídos durante o tempo da Dinastia de Omri.

“Quando você entra no edifício principal de Horvat Tevet, você está no edifício mais bem preservado da Casa de Omri já encontrado em Israel”, observou Sergi.

Apesar da importância das descobertas feitas lá, se espera que Horvat Tevet se torne, aparentemente, outro sítio arqueológico em Israel “a ser coberto ou destruído por projetos de desenvolvimento modernos”, observa o jornal.

Fonte: Sputnik.

Descobertas listas de óleo e vinho no antigo reino de Jeroboão


Apenas dois judeus que moravam na cidade de Samaria, no século 8 aC, escreveram 31 inscrições de tinta sobre barro – chamadas ostraca – listando detalhes de remessas de óleo e vinho fornecidos à área, segundo os arqueólogos da Universidade de Tel Aviv (TAU).

Sua descoberta, que ilumina o aparato burocrático e a infraestrutura logística do antigo reino de Israel, acabou de ser publicada na prestigiosa revista de acesso aberto PLoS ONE (Biblioteca Pública [Science] dos EUA]. Foi intitulada “Análise Algorítmica da As inscrições de Samaria iluminam o aparato burocrático no Israel bíblico.”

Os dois escritores foram responsáveis ​​por compor quase um terço das mais de 100 inscrições e eram contemporâneos, indicando que as inscrições foram escritas na própria cidade de Samaria. As listas repetidas de remessa detalham a Samaria por pelo menos sete anos.

A antiga Samaria ostraca, desenterrada no início do século XX em Samaria, está entre as primeiras coleções de escritos hebraicos antigos já descobertos. Mas, apesar de um século de pesquisa, os arqueólogos continuaram discutindo sobre suas origens geográficas precisas – Samaria ou suas aldeias periféricas – e o número de escribas envolvidos em sua composição. Agora esses assuntos foram resolvidos.

A pesquisa para o estudo foi conduzida pela candidata a doutorado Shira Faigenbaum-Golovin, Dra. Arie Shaus, Dra. Barak Sober e Prof. Eli Turkel, toda a Escola de Ciências Matemáticas da TAU; Eli Piasetzky, da Escola de Física da TAU; e arqueologia da TAU, Prof. Israel Finkelstein, especialista nas idades de bronze e ferro.

As inscrições apresentam a data da composição (ano de um determinado monarca), tipo de mercadoria (óleo, vinho), nome de uma pessoa, nome de um clã e nome de uma vila perto da capital. Com base em considerações em forma de letra, a ostraca foi datada da primeira metade do século VIII aC, possivelmente durante o reinado do rei Jeroboão II de Israel.

“Se apenas dois escribas escrevessem os textos examinados de Samaria contemporaneamente e ambos estivessem localizados em Samaria e não no interior, isso indicaria uma burocracia do palácio no auge do reino da prosperidade de Israel”, declarou Finkelstein.

A questão da alfabetização no antigo Israel (bíblico) é crucial para a exegese bíblica e campos relacionados “Nossos resultados, acompanhados de outras evidências, também parecem indicar uma dispersão limitada da alfabetização em Israel no início do século VIII aC”, acrescentou Piasetzky .

“Nossa equipe interdisciplinar utilizou um novo algoritmo – que consiste em processamento de imagem e técnicas de aprendizado de máquina recém-desenvolvidas – para concluir que dois escritores escreveram os 31 textos examinados, com um intervalo de confiança de 95%”, disse Sober, agora membro da Universidade Duke, departamento de matemática.

“A técnica inovadora pode ser usada em outros casos, tanto na Terra de Israel quanto fora dela. Nossa ferramenta inovadora permite a comparação de manuscritos e pode estabelecer o número de autores em um determinado corpus”, observou Faigenbaum-Golovin.

A nova pesquisa segue os resultados do estudo de 2016 do grupo, que indicou alfabetização generalizada no reino de Judá, um século e meio a dois séculos depois, cerca de 600 aC. Para esse estudo, o grupo desenvolveu um novo algoritmo com o qual eles estimaram o número mínimo de escritores envolvidos na composição de ostraca desenterrados na fortaleza desértica de Arad. Essa investigação concluiu que pelo menos seis escritores compuseram as 18 inscrições que foram examinadas. Os pesquisadores agora pretendem usar sua metodologia para estudar outros corpora de inscrições de vários períodos e locais.

“Parece que durante esses dois séculos que passaram entre a composição dos corpos de Samaria e Arad, houve um aumento nas taxas de alfabetização na população dos reinos hebreus”, disse Shaus. “Nossa pesquisa anterior abriu o caminho para o estudo atual. Aperfeiçoamos nossa metodologia desenvolvida anteriormente, que buscava o número mínimo de escritores, e introduzimos novas ferramentas estatísticas para estabelecer uma estimativa de alta probabilidade para o número de mãos em um corpus.”

Fonte: Breaking Israel News

Coronavírus pode ter sido criado em laboratório


Suspeita é que o surto, que já matou ao menos 56 e infectou mais de 2 mil pessoas em 15 países, além da China, tenha sido originado em um laboratório da cidade chinesa de Wuhan, segundo um especialista em guerra biológica; investigação da revista “Great Game India” indica que o coronavírus pode ter sido contrabandeado do Canadá e tornado mortal no país asiático

O novo coronavírus chinês, que se espalhou globalmente e já matou ao menos 56 e infectou mais de 2 mil pessoas, pode ter se originado em um laboratório da cidade chinesa Wuhan, epicentro do surto, vinculado ao programa secreto de armas biológicas da China, segundo um especialista em guerra biológica de Israel, Dany Shoham, de acordo com o “The Washington Times”.
A suspeita, segundo a revista “Great Game India”, é que os chineses tenham contrabandeado um coronavírus de um laboratório do Canadá e o tenham tornado mortal nas instalações de Wuhan. Na manhã deste domingo (26), o site da revista trimestral indiana estava em baixa. Segundo informaram pelo Twitter, estavam sendo alvo de hackers.

“O trabalho em armas biológicas é conduzido como parte de uma pesquisa civil-militar dupla e é “definitivamente secreto”, disse Shoham por e-mail ao jornal americano.

Do Canadá para a China?

No ano passado, um carregamento misterioso foi pego contrabandeando coronavírus do Canadá. Foi atribuída a agentes chineses que trabalhavam em um laboratório canadense. Investigação da revista “Great Game India” vinculou os agentes ao Programa de Guerra Biológica da China, de onde se suspeita que o vírus tenha vazado, causando o surto de coronavírus Wuhan, segundo informações compiladas pelo site “Zero Hedge”.
De acordo com a investigação da revista indiana, o cientista chinês Xiangguo Qiu, do Instituto de Biologia Celular e do Departamento de Pediatria e Saúde Infantil da Universidade de Manitoba, no Canadá, fez pelo menos cinco viagens durante o ano letivo de 2017-18 para o Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan, da Academia Chinesa de Ciências.
O Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan, instalado no Instituto de Virologia de Wuhan, foi criado na esperança de ajudar a China a contribuir com pesquisas sobre os vírus mais perigosos do mundo.

O laboratório foi o primeiro do país projetado para atender aos padrões de nível de biossegurança 4 (BSL-4) – o mais alto nível de risco biológico, o que significa que seria qualificado para lidar com os patógenos mais perigosos.

Em agosto de 2017, a Comissão Nacional de Saúde da China aprovou atividades de pesquisa envolvendo vírus Ebola, Nipah e febre hemorrágica da Crimeia-Congo nas instalações de Wuhan.
Antes da aprovação, cientistas americanos publicaram na revista “Nature” suas preocupações de que esse vírus pudesse “escapar” e infectar pessoas. Tim Trevan, consultor de biossegurança de Maryland, nos EUA, disse que temia que a cultura da China pudesse tornar o instituto inseguro, porque uma “estrutura em que todos se sentissem à vontade para falar e que tivesse uma abertura de informações seria importante”.
Coincidentemente, o Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan está localizado a apenas 32 quilômetros do Mercado de Frutos do Mar de Wuhan. Os primeiros casos da doença foram identificados em trabalhadores desse mercado público de frutos do mar em Wuhan.

James Giordano, professor de neurologia da Universidade de Georgetown e membro sênior do Comando de Operações Especiais de Guerra Biológica dos EUA, disse que o crescente investimento da China em biociência, menos ética em torno da edição de genes e outras tecnologias de ponta e a integração entre governo e academia aumentam a espectro de tais patógenos serem armados.

O microbiologista da Universidade Rutgers, Richard Ebright – e também responsável pelo sequenciamento de genoma crucial que permite aos médicos diagnosticar o vírus – disse, por outro lado, ao “Daily Mail” que “não há motivos para suspeitar de que o laboratório esteja conectado ao coronavírus em Wuhan”.

Vacinas

Os cientistas americanos que alertaram dos riscos em 2017 disseram à revista “Nature” que o trabalho realizado em Wuhan era importante para o desenvolvimento de vacinas e tratamentos.
Isso incluiu a realização de testes em animais, incluindo macacos, já que os regulamentos para pesquisas com animais são muito mais flexíveis na China do que nos países ocidentais.
A cidade de Wuhan tem mais de 11 milhões de habitantes. É uma São Paulo. O início dos sintomas ocorreu em 8 de dezembro. A causa da doença foi identificada em 7 de janeiro como sendo um novo coronavírus. Nesta semana, a China comunicou que esse vírus pode ser transmitido de pessoa a pessoa.

Surto se espalha e chega a 15 países de 4 continentes; EUA confirmam 5º caso; mortes sobem a 80

O surto de coronavírus está acelerando e já chegou a 15 países, além da China, onde a doença surgiu. O número de mortes com a doença respiratória subiu de 56 para 80 pessoas e atingiu quase 3 mil pessoas, segundo informaram autoridades chinesas no fim da noite deste domingo (26).
O Canadá, Austrália e Malásia confirmaram os primeiros casos neste sábado (25). Hong Kong, após cinco mortes, declarou emergência e vai fechar as escolas até 17 de fevereiro e cancelar vários grandes eventos, como a maratona, que tinha 70 mil inscritos.
A China vai suspender todas as viagens turísticas que partem do país a partir desta segunda (27) para tentar conter a doença, incluindo as de ônibus internas, e construir dois hospitais de emergência para atender 2,3 mil pacientes. Em dez dias deve estar instalado o primeiro.
O presidente chinês disse neste sábado (25) que o vírus está se espalhando de maneira acelerada e que o país enfrenta uma “situação grave”.
EUA, Reino Unido e França já anunciaram que vão evacuar cidadãos de seus países da cidade chinesa de Wuhan.
Neste domingo (26), os EUA confirmaram o terceiro, o quatro e o quinto casos de pessoas com o vírus. Na sexta-feira (24), os EUA confirmaram o segundo caso, e as Bolsas recuaram e o dólar subiu. O Ibovespa, índice de referência da B3 (Bolsa de valores brasileira), caiu 0,96% e fechou em 118.376 pontos, depois de ter batido recorde de 119.527 pontos na semana. Já a moeda americana ficou nos R$ 4,186, uma alta de 0,45%.

Patmos, a ilha grega onde o Livro do Apocalipse foi escrito

Mundialmente conhecida como o lugar onde o apóstolo João escreveu o Livro do Apocalipse, a ilha de Patmos é também um destino ideal para os amantes da natureza graças à sua costa lindíssima. Tem uma área total de 35 km² e uma população de 2.700 habitantes.

Foi na Gruta do Apocalipse em 95 d.C., que o apóstolo João, já com quase 100 anos de idade, teve visões e ouviu as revelações de Deus sobre o fim do mundo, as quais resultaram no Livro do Apocalipse, o último livro do Novo Testamento. A Gruta encontra-se à meia altura de uma montanha. Uma capela, a Capela de Santa Ana, foi construída como entrada para a caverna.

No ano de 1088, o Imperador Bizantino, Alexios I, doou a ilha de Patmos para o monge Cristodoulos, que construiu o Monastério de São João na forma de fortaleza para se proteger de ataques, principalmente dos turcos.

Skala, a maior cidade de Patmos, é onde fica o porto da ilha. É em Skala que estão concentrados a maior parte dos hotéis da ilha. No entanto, é em Chora ou Hora, no alto de uma colina, onde estão as atrações de maior interesse histórico e religiosos – o Mosteiro de São João e a Gruta do Apocalipse -; é o principal lugar de visitação.

A capital de Patmos, Chora, é um povoado do século XIII, que surgiu ao redor do Mosteiro de São João, no alto de uma colina. Com casas brancas e ruas estreitas, Chora não tem hotéis, apenas quartos para se alugar em casas de moradores adaptadas para hospedar turistas.

Em Patmos não há aeroporto. Partindo de Atenas, mais precisamente de Pireus, chega-se à ilha por meio de balsa ou de barco. O destino é o porto de Skala em Patmos. Ao desembarcar, o turista é recepcionado por proprietários de pensões e hotéis.
Patmos não brilha com luzes de bares noturnos nem ressoa ao som de discotecas. Apesar do crescente número de turistas, em Patmos, reina a paz provincial. É uma cidade pacata, sem vida noturna.
Na ilha, há muitas belas praias para se passear ou se desfrutar uma bebida fresca à beira mar, e claro, nadar.
Por seu valor histórico e religioso, além de suas belezas naturais, a ilha de Patmos é um dos lugares do mundo que merece ser conhecido.
 Entrada para a Gruta do Apocalipse através da Capela de Santa Ana
Caverna onde São João ouviu as revelações do Apocalipse

Monastério de São João

Mosaico na entrada Capela de Santa Ana, a qual dá aceso à Gruta . A imagem representa São João (à direita) e seu discípulo Prócoro, que transcreveu as visões descritas por São João

O Monastério de São João, da igreja Católica Ortodoxa, construído na forma de fortaleza

O povoado de Skala